Trombose venosa profunda

A circulação venosa nos nossos membros é dividida em veias do sistema venoso superficial (menores, restritas a pele e que formam as varizes quando doentes) e do sistema venoso profundo (de maior calibre, localizadas no interior das musculaturas). A trombose venosa profunda (TVP) consiste na formação aguda de coágulos no interior das veias do sistema venoso profundo. Uma das complicações da TVP é a embolia pulmonar, que consiste na impactação de coágulos oriundos de áreas com trombose no interior do pulmão, podendo levar a graves problemas respiratórios.

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA

Causas

Algumas alterações no sistema venoso e suas respectivas causas estão implicadas na ocorrência da TVP:

– aumento da coagulação sanguínea: uso de anticoncepcional, gestação e puerpério, tumores, doenças congênitas da coagulação, fumo e infecções.

– diminuição da velocidade de fluxo sanguíneo: imobilizações, varizes e viagens prolongadas (avião principalmente).

– lesões da parede da veia: cirurgias, traumas, punção para implante de cateteres.

 

Sintomatologia e diagnóstico 

Os principais sintomas agudos da TVP são edema (inchaço), dor , vermelhidão e endurecimento muscular, sendo mais graves quanto maior for a extensão da área de trombose.

As complicações da TVP são:

– embolia pulmonar: é a obstrução de artérias pulmonares por coágulos transportados pelo sistema venoso que se desprenderam das áreas de TVP. Apresenta gravidade variável, podendo até levar a morte.

EMBOLIA PULMONAR

– síndrome pós-trombose: devido à obstrução venosa os pacientes podem desenvolver sintomas como inchaço crônico, desenvolvimento de varizes, pigmentação de pele e aparecimento de úlceras varicosas.

O diagnóstico da TVP deve ser suspeitado na presença dos sintomas descritos, sendo a confirmação feita através de ultrassom doppler venoso, principal exame na avaliação desses pacientes.

 

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA E EMBOLIA PULMONAR

Tratamentos

O objetivo do tratamento é prevenir a progressão dos coágulos e facilitar sua reabsorção, diminuir a chance de embolia pulmonar e aliviar os sintomas secundários ao inchaço. Para isso um dos pilares do tratamento é o uso de medicações anticoagulantes, sendo as principais a heparina, a warfarina e o rivoraxaban.

Outra medida importante consiste no uso das meias elásticas, estas tendo como objetivo aliviar o edema e melhorar o conforto do paciente.

Em algumas situações especiais os pacientes podem se beneficiar de procedimentos cirúrgicos como a aspiração de coágulos, o implante de stents em veias apresentando obstruções devido compressão por outras estruturas anatômicas e  colocação dos filtros de veia cava.

Os filtros de veia cava são empregados apenas para prevenir a embolia pulmonar em pacientes que  não podem ser submetidos ao uso de anticoagulantes. Trata-se de dispositivos com estrutura em malha que são colocados no interior da veia cava (veia responsável pela drenagem do sangue dos membros inferiores) com a função de bloquear coágulos que se desprendam das veias dos membros inferiores.

MEIAS DE COMPRESSÃO ELÁSTICA

 

FILTRO DE VEIA CAVA