Doença Arterial obstrutiva periférica

A Doença Arterial Obstrutiva Periférica (DAOP), também chamada de Insuficiência Arterial Crônica de membros inferiores, é um conjunto de sinais e sintomas decorrentes da obstrução das artérias que irrigam os membros inferiores.

OBSTRUÇÃO ARTERIAL PELA ATEROSCLEROSE

Causas

A principal causa de DAOP é a aterosclerose, que consiste na deposição de tecido gorduroso nas paredes internas das artérias, levando a obstruções e até oclusão completa do vaso. A diminuição de irrigação sanguínea decorrente desse processo leva a sofrimento e até morte dos tecidos dependentes. Os principais fatores de risco para o desenvolvimento da aterosclerose são: tabagismo, hipertensão arterial sistêmica, diabetes, colesterol elevado, obesidade, idade avançada e histórico pessoal ou familiar de doenças ateroscleróticas.

 

Sintomatologia e diagnóstico 

Os pacientes com DAOP podem desenvolver sintomas diversos, sendo os principais:

– Claudicação Intermitente: é uma dor com característica de câimbra ou aperto, que é desencadeada pelo andar e que melhora com repouso, podendo ocorrer nas panturrilhas, coxas ou glúteos. Corresponde ao sofrimento muscular decorrente da falta de irrigação que ocorre quando a musculatura é exigida.

– Dores em repouso: nos casos com doença mais avançada a dor muscular pode ser contínua e independente de exercício. Muitas vezes esses pacientes acabam dormindo sentados já que a elevação da perna tende a piorar a dor.

– Alterações de pele e presença de feridas: os pacientes com DAOP apresentam rarefação de pelos, unhas quebradiças, pele pálida e atrofia muscular em graus variados. Nos casos mais avançados podem aparecer úlceras ou necroses das extremidades.

PÉ CARACTERÍSTICO DE PACIENTE COM DAOP

PACIENTE COM DAOP COM GANGRENA

Tratamentos

O tratamento deve ser individualizado caso a caso de acordo com os sintomas e prejuízo à qualidade de vida do paciente. As opções de tratamento são:

– Controle de fatores de risco: abolição do fumo, controle medicamentoso e dietético de hipertensão arterial, diabetes e colesterol elevado, perda de peso e diminuição do sedentarismo.

– Exercícios regulares com caminhada: estimulando-se o paciente a caminhar regularmente e de forma monitorada podemos fazer com que a irrigação com membro melhore através da ativação de vias de circulação colateral, aumentando a distância que o mesmo consegue caminhar.

– Uso de medicamentos: várias classes de medicações tem sua indicação nos pacientes com DAOP, como por exemplo os anti-agregantes plaquetários (acido acetilsalicílico por exemplo) e as estatinas (sinvastatina por exemplo), devendo a indicação ser avaliada caso a caso.

– Cirurgias para melhora da irrigação sanguínea: indicadas para casos com úlceras ou necroses, dor de repouso ou dor para caminhar que não apresentou melhora com tratamento clínico. Duas modalidades de tratamento cirúrgico podem ser empregadas:

– Cirurgia convencional para DAOP: consiste na realização de incisões na perna através das quais se faz a retirada das placas obstrutivas no interior das artérias ou confeccionam-se pontes vasculares com uso de veias do próprio paciente ou próteses plásticas.

       

PONTES PARA REVASCULARIZAÇÃO NA DAOP

Angioplastia de membro inferior: trata-se de um tratamento minimamente invasivo onde, através de um orifício na virilha, inserimos cateteres que irão navegar através das artérias obstruídas, dilatando-as e liberando novamente o fluxo sanguíneo, com ou sem a colocação de stent no local.

ANGIOPLASTIA COM COLOCAÇÃO DE STENT

    

ANGIOPLASTIA DE MEMBRO INFERIOR